PANCs: Quando o mato vai para o Prato

As PANCs nada mais são do que plantas alimentícias não convencionais. Fazem parte das PANCs as plantas que nós não consumimos como forma de alimento simplesmente por falta de costume ou de conhecimento. São plantas geralmente consideradas como “mato”, “ervas daninhas” ou “invasoras”, por crescerem espontaneamente junto com plantas que cultivamos.

Diante da nossa realidade, sob a perspectiva da segurança alimentar e considerando o atual uso e consumo excessivo de agrotóxico no Brasil, as PANCs se apresentam como uma alternativa nutritiva e saudável, já que quanto mais silvestre uma espécie é, menor será a utilização de agrotóxicos em seu cultivo e melhor será o aproveitamento dos nutrientes do solo.

Um dos principais argumentos para valorizar o mato (e todo o resto) que brota ao nosso redor é tirar proveito daquilo que a natureza oferta. Quando falamos do tradicional, como a dupla alface e tomate que frequenta o circuito popular das saladas, estamos privilegiando o que pode ser comprado sempre, embora não saibamos o real custo disso.

Veja alguns exemplos abaixo

 

Tanchagem  >  Plantago major

É uma planta medicinal com propriedades anti-inflamatórias que matam germes, melhoram a velocidade de cicatrização de feridas e estimulam o crescimento de células novas no corpo, sendo um ingrediente ativo de muitos cremes e loções cosméticas para a pele. Além disso, na culinária é muito apreciada. As sementes podem ser usadas na cobertura de  pães, substituindo o gergelim. Já as folhas, de gosto parecido com o do espinafre, podem ser cozidas, refogadas, empanadas ou branqueadas (cozinhar e, em seguida, jogar água fria).

 

 

Beldroega  >  Portulaca oleracea

Considerada planta “daninha” em hortas, pomares e jardins, é rica em ômega 3 e tem alto poder antioxidante. Pode ser consumida crua ou cozida. Ácida e crocante, vai muito bem na salada. Também pode ser consumida refogada no óleo ou na banha com alho e cebola (depois de cozida, lembra um pouco o espinafre, só que mais suave). Às vezes é chamada de ora-pro-nobis (até por Guimarães Rosa), mas, apesar de as duas folhas guardarem semelhanças entre si, são espécies totalmente diferentes.

 

 

Guasca  >  Galinsoga parviflora

Também chamada de picão branco, suas folhas são utilizadas na culinária como hortaliça e condimento. Essa erva típica da culinária colombiana tem as flores brancas e libera seu aroma quando aquecida. Seu sabor lembra alcachofra, e combina com arroz, raízes e carnes brancas. Assim como o louro, pode ser usada como tempero.

 

 

Centella  >  Centella asiatica

Também conhecida como pé de burro, suas folhas são usadas como condimento e também como ingredientes de suco verde. Muito comum na medicina Ayurvedica, as folhas são usadas para suco verde, batidas com limão. Com sabor próximo ao da salsa, são utilizadas como condimento. De cultivo simples e fácil, é considerada espontânea e se desenvolve bem com outras plantas.

 

 

Como consumir as PANCs?

Cada planta é um ingrediente com sua peculiaridade e forma de consumo. Em geral, classificamos as plantas em três maneiras de preparo:

 

  • Plantas que são consumidas in natura, na forma de suco ou salada. Consumo similar ao do mamão, da alface e do pepino.

 

  • Plantas que podem ser consumidas tanto in natura quanto processadas, mas ficam mais agradáveis e saborosas quando cozidas ou refogadas. Com a mesma forma de preparo da couve, da abobrinha e da escarola.

 

  • Plantas que precisam obrigatoriamente passar por cozimento. Essa exigência é similar à da mandioca, do espinafre e da batata-doce, que devem ser consumidas sempre cozidas.

Com o intuito de informar e incentivar hábitos mais saudáveis, o Departamento Socioambiental da VINA produziu uma cartilha informativa com PANCs que crescem espontaneamente no terreno da empresa. Esta cartilha, além de levar informações sobre essas plantas e dicas de como identificá-las, também ensina como consumi-las.

Baixar PDF da Cartilha completa


Veja alguns vídeos muito interessantes sobre PANCs

Conheça as pancs, plantas alimentícias não convencionais

De BH para o mundo: Trilhas do Sabor Parte 1 e Parte 2

3 thoughts on “PANCs: Quando o mato vai para o Prato

  1. Fabio Furst Soares

    Gostei muito da matéria e pretendo conversar com Sabrina e meu amigo Camilo sobre este assunto.

    Como fala a matéria , hoje em dia existe uma predominância de agrotóxico em nossas hortaliças , portanto vamos divulgar.

    Ótima matéria.

    Abraço.

    Reply
  2. rosa eunice silva

    adorei! gostaria de aprender mais sobre as PANCS. adoro pratos saudáveis e saborosos que só a natureza nos dá….bjs

    Reply
    1. Departamento Socio Ambiental Post author

      Que bom que vc gostou Rosa Eunice.
      Caso queira saber mais, sugiro que você entre em contato com a Bióloga Sabrina, no nosso Departamento Socioambiental através do email scda.bio@gmail.com.
      Um abraço e muito obrigado pelo seu comentário!

      Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *