Brumadinho: campo fértil para a cultura da cooperação.

FEITO A MÃOS

O Feito a Mãos será a nossa pequena contribuição, feita por várias mãos dentro e fora da VINA, na construção de um caminho de cooperação e divulgação de boas notícias e de ações positivas que envolvam grupos e comunidades. Aqui terão destaque atitudes transformadoras que mobilizem pessoas e também pequenos gestos que melhorem a nossa rua, o nosso bairro, a nossa cidade, o nosso país, o nosso planeta.

O VinaVina busca reafirmar que somos parte de um mundo pleno de diversidade, que queremos ver pessoas sendo tratadas com o respeito e com o cuidado que merecem. Somos parte do mesmo planeta e podemos fazer, juntos, coisas incríveis.

Mãos à obra!

 


 

Brumadinho: campo fértil para plantar a cultura da cooperação

 

Pode parecer incrível, mas já se passaram quatro meses desde o rompimento da barragem do Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG). Mais uma vez, uma tragédia que poderia ter sido evitada e não foi. Assim como as comunidades de Bento Rodrigues e Paracatu, que em 2015 foram completamente destruídas pela lama, deixando um rastro de devastação que atingiu o Rio Doce e seus afluentes e afetando milhares de pessoas que ficaram sem casa, sem água e sem trabalho, a comunidade de Brumadinho e de seus arredores foi atingida por uma tragédia ainda maior de devastação, não só pelo volume de rejeitos como pelo número de vítimas. A história da atividade mineradora em Minas Gerais, que está na sua origem, é uma triste história de desrespeito pela vida e pelo meio ambiente.

O mar de lama resultante dessa negligência é uma conta que não fecha e que deixa um saldo de tristeza, dor, indignação e morte: foram 19 pessoas identificadas em Mariana somada à morte do Rio Doce e todas as suas consequências; foram 310 pessoas em Brumadinho somada à morte gradual do Rio Paraopeba e seus afluentes. E isso não é tudo! O tsunami de lama e rejeitos que o rompimento dessas barragens provocou foi arrastando gente, casas, bichos, vegetação, pontes, estradas, comprometendo ao longo do caminho e dos dias que se seguem a existência e a sobrevivência de milhares de vidas, comprometendo de forma irreversível o meio ambiente à sua volta.

Mariana e Brumadinho estão marcadas para sempre por suas perdas humanas, pela destruição ambiental, e cujos impactos no meio ambiente e na vida de inúmeras famílias não podem ainda ser medidos. Talvez nunca possam de fato ser avaliados.

 

Bombeiro civil Leôncio Valverdes solta um pássaro resgatado de área inundada, dois dias depois do rompimento da barragem da Vale em Brumadinho — Foto: Leo Correa/AP

Mas nos momentos de tragédia, também surgem outras “ondas”, que vão na contramão da lama e da ganância e fazem brotar palavras bonitas como solidariedade, amor, compaixão, cooperação, igualdade, resistência…

Foto: Gilberto Chagas

Cooperação e luta

Desde o primeiro dia da tragédia ocorrida em Brumadinho, não só os heroicos bombeiros de Minas se fizeram presentes e atuantes naquele cenário devastador. Centenas de pessoas se deslocaram para o local com o firme propósito de salvar vidas, de socorrer as vítimas e suas famílias, de colaborar no que fosse preciso para amenizar os impactos daquela dor coletiva. Além da ajuda humanitária que mobilizou pessoas em todo o Brasil e também no exterior, havia a preocupação em promover um espírito de cooperação que pudesse ser efetivo e eficaz em várias instâncias. Importava agir para ajudar a colocar (minimamente) no lugar o que havia sido abalado, quebrado, destruído em Brumadinho.

Naquele cenário de tragédia, a Associação dos Catadores de Materiais Recicláveis de Brumadinho – ASCAVAP descobriu que também não estava sozinha.

A Cataunidos é um órgão de classe cooperativa de 3º grau que reúne uma rede de 33 empreendimentos, entre Associações e Cooperativas de catadores, em Minas Gerais. Existe um sentido muito forte e consciente entre os catadores sobre a solidariedade de classe. A luta que enfrentam diariamente e a consciência do papel social e ambiental que representam em suas comunidades vêm fortalecendo a consolidação de conquistas de direitos e a formação de uma rede local, nacional e internacional que reconhece e promove o papel do catador em nossa sociedade. Diante da tragédia de Brumadinho, a reação das companheiras e dos companheiros catadores que integram a Cataunidos foi imediata. Os companheiros e companheiras da ASCAVAP precisavam de ajuda e de consolo. Em reunião, avaliaram coletivamente a situação e decidiram agir. Foram quatro dias de muito trabalho e muita dedicação para as 16 pessoas que foram apoiar as companheiras e os companheiros de Brumadinho.

 

Fotos: Gilberto Chagas

Havia uma tragédia acontecendo ali, um mar de lama separando a região e impedindo o acesso às estradas e, no caso da ASCAVAP, impedindo o seu deslocamento para a coleta seletiva e a destinação do material reciclável separado por eles. Estava tudo parado e as pessoas em choque. O rompimento da barragem desencadeou uma série de impedimentos e de problemas para toda a comunidade. A prefeitura de Brumadinho, por exemplo, que também estava sem acesso às estradas e ao aterro sanitário, havia começado a despejar entulho da construção civil no pátio da Associação. Ali já não havia mais lugar nem para acomodar o material coletado quanto mais receber resíduos de construção civil, que não fazem parte do tipo de material reciclável que a ASCAVAP normalmente coleta. Havia uma montanha de material a ser separado, organizado e dividido em cargas para ser escoado e vendido…

 

Fotos: Gilberto Chagas

 

O volume de resíduos se acumulava e o movimento em Brumadinho era de tensão e perplexidade. Alguns dias depois da tragédia, com a chegada dos companheiros e companheiras catadores voluntários, o trabalho começou e o cenário foi se modificando. Havia agora um propósito e o movimento de quem chegou para ajudar foi como uma onda de solidariedade e de afeto. Entre a triagem e o escoamento dos materiais, outros mutirões foram acontecendo. Havia a articulação para que a Prefeitura retirasse o entulho do pátio, havia a articulação de cidadãos e cidadãs para conseguir cestas básicas para alimentar o mutirão e as famílias das catadoras e dos catadores, havia o mutirão da cozinha preparando tudo com muito afeto, havia momentos de descontração, com brincadeiras e sorrisos provocados por pelo Senhor Flores (Zildo Flores)… Enfim, foram quatro dias de muito trabalho e mobilização em que o espírito de cooperação feito a muitas mãos gerou um movimento positivo que buscou amenizar o peso da dor após a tragédia.

 

A comida feita com carinho e o Palhaço Sr. Flores em ação. (Fotos: Sonia Dias)


Eles estavam lá

Foto: Gilberto Chagas

 

 

A iniciativa partiu da rede que integra o Movimento Nacional dos Catadores(as) de Materiais Recicláveis – MNCR que, articulada com o Observatório da Reciclagem Inclusiva, avaliou coletivamente a situação e mobilizou as associações e cooperativas de catadores da Região Metropolitana de Belo Horizonte – RMBH para realizar o mutirão de emergência em Brumadinho.

 

 

Voluntários de todos os lugares chegavam diariamente a Brumadinho. Entre os que foram especialmente para o mutirão da ASCAVAP estavam representantes da  COOPERSOL, da COOPERSOL-Leste, da ASCITO (Itabirito), da Asmare, da Cataunidos  e WIEGO. Tivemos a chance de conversar com: Gilberto Chagas, presidente da Cataunidos e uma das lideranças do MNCR; com Fernando Godoy, que integra a ASMARE e foi uma dos voluntários do mutirão; e com Sonia Dias e Ana Carolina Ogando, representantes da WIEGO, uma rede internacional de trabalhadores informais e parceira do MNCR.  

Gilberto Chagas (Cataunidos) esteve presente no mutirão para registrar em imagens aquele encontro de companheiras e companheiros catadores unidos com o firme propósito de  oferecer sua solidariedade e sua força especial de trabalho à ASCAVAP, tão importantes naquele momento. Várias fotos que ilustram esta postagem são de sua autoria. Na opinião dele, além de todos os problemas e perdas irreversíveis para as pessoas e o ambiente, o que fica é um desastre provocado por uma empresa privada, que não ofereceu alternativas, após o rompimento da barragem, para que o município descartasse o lixo acumulado. “A gestão pública e a sociedade ficam reféns do resultado dessa irresponsabilidade, desse modelo desenvolvimentista que obedece apenas ao mercado e descarta as pessoas”.

 

Fernando Godoy é catador consciente e solidário. (foto: Gilberto Chagas)

Fernando Godoy é catador e associado há 20 anos da ASMARE, que há 13 anos é associada ao Cataunidos. Para ele, participar do mutirão em Brumadinho foi o mínimo que eles poderiam fazer pelas companheiras e pelos companheiros catadores, que seguem os mesmos princípios da solidariedade de classe e o apoio mútuo como agentes ambientais que são. São os catadores que coletam e tratam diariamente o lixo urbano e não recebem o devido reconhecimento da sociedade. “Sempre fomos discriminados, mas agora o movimento cooperativo tem crescido e se fortalecido na luta e na conquista por nossos direitos como trabalhadores organizados e como agentes sociais e ambientais importantes no processo de tratar os resíduos sólidos e melhorar a vida de todos. Há muito tempo deixamos de ser aquele “velho do saco” que apenas catava lixo para sobreviver”.

 

 

 

Sonia Dias (ao centro) com a equipe da cozinha.

Sonia Dias e Ana Carolina Ogando integram a rede internacional WIEGO, que reúne trabalhadores informais, entre eles catadoras e catadores do mundo inteiro. Para as duas, que atuaram em Brumadinho colaborando na organização do mutirão e no levantamento de apoios e doações, foi uma experiência ao mesmo tempo forte e emocionante. Ouvir, abraçar, articular a rede de apoios às diversas demandas daquela situação foi uma oportunidade de comprovar a força e o espírito de cooperação dos catadores. Depois de quatro meses da tragédia, Sônia Dias diz que o trabalho de muitos voluntários continua em Brumadinho, em vários níveis e em vários setores da cidade. A cooperação é sempre uma força poderosa que nos leva a reconhecer o próximo como seu igual e seu aliado na luta por uma vida mais justa e melhor.

 

 

Ouvimos também o relato de Maria Madalena Rodrigues Duarte Lima, catadora há mais de 20 anos, trabalha na Cooperativa de Reciclagem e Trabalho Ltda. – COOPERT, em Itaúna (MG) e é ativista incansável pela valorização da categoria e pelo reconhecimento do valor do catador na sociedade. Ela não esteve no mutirão em Brumadinho, mas participou da sua articulação e da mobilização de voluntárias e voluntários. Entre outras atribuições, ela integra a Secretaria Nacional das Mulheres no Unicatador e é Representante do Comitê das Mulheres na Rede Latinoamericana de Catadores. Madalena contou que ouviu emocionada o relato de quem participou do mutirão. “O que todos tiveram foi uma oportunidade de aprendizado, de parceria e de demonstração de amor pelo próximo. Diante do Brasil em que vivemos hoje, isso traz uma esperança para a nossa luta, para ficar sempre unidos e criar nossas próprias políticas e movimentos de solidariedade, enxergando e ajudando o outro com amor verdadeiro”.

 

Helina Ferreira é Presidente da ASCAVAP e, além de dois sobrinhos, perdeu muitos amigos queridos nessa tragédia. Seu depoimento emocionado, feito dias após o rompimento da barragem do Córrego do Feijão, traduz a dor e a tristeza de seus companheiros e companheiras de luta diária. É uma dor que não passa e, por isso mesmo, todo apoio e solidariedade que a Associação tem recebido ajudam a amenizar tantas perdas e a seguir em frente.

 

Veja o vídeo: 

Desabafo da catadora Helina Ferreira Presidente da Ascavap Brumadinho

 

 


 

 

Cultura da Cooperação

“Cultura da Cooperação é o conjunto de práticas e ações sociais, alicerçadas em crenças e princípios positivos, aprendidas, praticadas e partilhadas no grupo, em que cada indivíduo sente-se parte de um mesmo todo, corresponsável pelo bem comum. Nela, a consciência da possibilidade da satisfação de necessidades humanas legítimas através do processo cooperativo, estimula o exercício da empatia e da compaixão, proporcionando sentido e segurança ao grupo, estimulando a autoestima e a confiança mútuas”.

(Luciano Lannes in Construindo uma Cultura de Cooperação, Revista Jogos Cooperativos) 

 

Veja mais fotos aqui

 


Ficha Técnica deste post

Coordenação: Departamento Socioambiental Vina – Cláudia Pires Lessa
Redação e revisão: Élida Murta
Design Gráfico: Lika Prates 
Colaboração: Sonia Dias

 

4 thoughts on “Brumadinho: campo fértil para a cultura da cooperação.

    1. Departamento Socio Ambiental Post author

      Obrigado Parceira Cristina! Contamos sempre com a sua preciosa colaboração nas nossas ações. Até breve e um abraço!

      Reply
    1. Departamento Socio Ambiental Post author

      Obrigado pelo seu comentário Marcelo. Esperamos que você continue a nos prestigiar e dar sempre a sua opinião. Nos ajude a divulgar estas ações positivas compartilhando em suas redes sociais os nossos posts. Um abraço e até breve!

      Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *